terça-feira, março 14, 2017

Ocorrência: Censurado pelo Público…

… Ou, mais correctamente, por algumas pessoas no Público. Hoje, no meu (outro) blog Obamatório, publiquei o meu artigo «Histeria histórica»… integralmente, quando o objectivo inicial era apenas reproduzir do mesmo um excerto. E há mais de um mês: no passado dia 12 de Fevereiro enviei-o àquele jornal para ser editado, mas apenas electronicamente – a sua elevada dimensão (quase 14 mil caracteres) tornava a sua passagem a papel improvável, se não mesmo impraticável.
Porém, no dia 23, e depois de me ter garantido, em conversa por telefone no dia 20, que ele seria publicado a 22, Nuno Ribeiro enviou-me uma mensagem em que me informava de que, afinal, e após uma «avaliação», o meu texto não sairia. Em conversa por telefone posterior com o actual editor de opinião do Público perguntei-lhe repetidamente quem efectuara essa «avaliação» e o que se concluíra nela – isto é, quais os motivos concretos que haviam levado à reversão da decisão inicial. O meu interlocutor recusou-se a responder, reiterando que o meu artigo era «impublicável», e aconselhou-me a recorrer ao actual director, David Dinis. O que fiz…
… Por correio electrónico nesse próprio dia, 27 de Fevereiro, tendo recebido uma resposta a 8 de Março. Nela, finalmente, tive conhecimento da «justificação» para a reprovação de «Histeria histórica»: é «ofensivo»… não segundo DD, que alegou não o ter lido, mas sim segundo as tais pessoas – o editor de opinião, de certeza, e os directores-adjuntos, talvez – que fizeram a tal «avaliação». Na minha réplica desafiei o director a apontar-me específicas e indubitáveis calúnias, erros, falsidades, mentiras, contidas no meu artigo. Até ao momento não o fez (aliás, não voltou a responder-me) e também não mandou publicá-lo. Portanto, e como «quem cala consente», deve-se depreender que, lamentavelmente, optou por ratificar a decisão dos seus subordinados, atentatória da liberdade de expressão, minha e não só.
É a primeira vez, em mais de 20 anos de colaboração, que um artigo meu é recusado pelo Público. Já fui alvo de discriminação e de censura, tentadas e concretizadas, por vários indivíduos e instituições, mas nunca, até agora, tal acontecera a partir do jornal fundado por Vicente Jorge Silva. Fica desde já aqui a (primeira) denúncia… que, todavia, não esgotará a minha reacção a esta indigna, intolerável ocorrência. (Transcrição no Apartado 53.)  

3 comentários:

JPG disse...

Texto a reproduzir hoje mesmo no Apartado 53.

EMIR disse...

O Público está a censurar muitos artigos científicos ... particularmente quando relacionados com o Covid ... portanto não parou por aí .. ainda mais recentemente censurou um artigo do Dr Pedro Girão num artigo de opinião intitulado "Uma Vacina longe demais" ... a Comunicação social mesmo a nível de TV que decidem inclusivé quem pode ou não ser entrevistado para evitar responda algo que não seja o padrão que todos podem ouvir como por exemplo o Professor Dr. Paulo Moreira que foi entrevistado por uma plataforma independente "Outros Senhores" após ser recusado por diversos canais televisivos ... é assim que está o Nosso País mas também França e outros ... o inicio de uma ditadura com a qual todos parecem ser coniventes ;)

JPG disse...

Os tais 15 milhões distribuídos pelos OCS "alinhados" fazem-se pagar. Não há almoços grátis. E pasquins também não.