quinta-feira, abril 30, 2020

Olhos e Orelhas: Primeiro Quadrimestre de 2020

A literatura: «Carta de Guia de Casados», Francisco Manuel de Melo; «Tratado Sobre a Tolerância - Por ocasião da morte de Jean Calas», Voltaire (pseudónimo de François-Marie Arouet); «O País das Uvas», Fialho de Almeida; «As Aventuras Aeronáuticas do Pequeno Nemo» (continuação de «Pequeno Nemo no País da Modorra»), Winsor McCay; «Ploc e Outros Contos», Anabela Ferreira; «Palavras de Força e Perseverança», Helen Exley; «Venha a mim o nosso reino», Ricardo Correia; «As duas caras de António», Carlos Eduardo Silva.
A música: «Luz», Cuca Roseta; «Six», Soft Machine; «Burnin'», Bob Marley & The Wailers; «Diamond Dogs», David Bowie; «Captain Fantastic And The Brown Dirt Cowboy», Elton John; «Rosa Carne», Clã; «Cultosaurus Erectus» e «Fire Of Unknown Origin», Blue Oyster Cult; «The Concert In Central Park», Simon & Garfunkel; «London Symphony Orchestra», Frank Zappa; «Fados De Cabelo Branco», Daniel Gouveia; «Greatest Hits», Jam; «Galore», Cure; «At Storyville», Lee Konitz; «Le Quattro Stagioni», Antonio Vivaldi (por Isaac Stern, Itzhak Perlman, Pinchas Zukerman e Shlomo Mintz, com a Orquestra Filarmónica de Israel dirigida por Zubin Mehta); «Matthaus Passion/Passio Domini Nostri J. C. Secundum Evangelistam Mattheum», Johann Sebastian Bach (por Andreas Schmidt, Anthony Rolfe Johnson, Barbara Bonney, Cornelius Hauptmann, Olaf Bar, Ruth Holton, e outros, com o Coro Juvenil do Oratório de Londres, o Coro Monteverdi e os Soloístas Barrocos Ingleses dirigidos por John Eliot Gardiner).
O cinema: «Robin Hood», Otto Bathurst; «A Tempo», Andrew Niccol; «Chapéu Negro», Michael Mann; «Ave, César!», Ethan Coen e Joel Coen; «Nós», Jordan Peele; «Fantástico Sr. Raposo», Wes Anderson; «Livro Verde», Peter Farrelly; «Mary Poppins Regressa», Rob Marshall; «Nasci com a Trovoada - Autobiografia Póstuma de um Cineasta», Leonor Areal; «Era Uma Vez... em Hollywood», Quentin Tarantino; «O Caderno», Nick Cassavetes; «Vindos Directamente de Compton», F. Gary Gray; «Godzilla», Gareth Edwards; «Walesa - Homem de Esperança«, Andrzej Wajda; «Tramóia na Torre», Brett Ratner; «O Homem de Novembro», Roger Donaldson; «Mais Estranho do que Ficção», Marc Forster; «Feliz Natal, Sr. Lawrence», Nagisa Oshima; «A Vida Secreta dos Animais de Estimação», Chris Renaud; «Corpos Quentes», Jonathan Levine; «O Jogo da Imitação», Morten Tyldum; «Amor e Outras Drogas», Edward Zwick; «Mike e Dave Precisam de Pares para um Casamento», Jake Szymanski; «Camus», Laurent Jaoui; «Os Matadores de Substituição», Antoine Fuqua; «Porque é Este o Meu Ofício», Paulo Monteiro.
E ainda...: Museu Nacional da Música - Concerto de Lucília São Lourenço «Fado no meu Canto»; Biblioteca Nacional de Portugal - exposição «Revistas modernistas em Portugal - Tradição e vanguarda (1910-1926)» + exposição «Volta ao Mundo - Obra gráfica de José de Guimarães» + exposição «Jorge de Sena (1919-1978) - As máscaras do poeta» + exposição «Sociedade das Nações (1920-1946) - Promessas e legados» + mostra «Sophia - Instantes de poesia» + mostra «Frei Bartolomeu dos Mártires - Um novo santo português» + mostra «Al-Mu'tamid - Poeta do Gharb al-Andalus» + mostra «Adalberto Alves - 40 anos de vida literária»; Prince - «Live in Houston, 12/29/82» (DVD incluído na edição especial com seis discos de «1999»); Câmara Municipal de Vila Franca de Xira - exposição «Cheias de 67» (Celeiro da Patriarcal); Museu do Neo-Realismo - exposição de Paulo Mendes, Susana Mouzinho e Tiago Baptista «Cosmo/Política #5 - Comunidades provisórias» + exposição «Raízes de uma colecção - Alves Redol e (seus) ilustradores»; Canal História - «Mao - O pai indigno da China moderna», (documentário de) Philippe Saada; «Burnin For You» e «Joan Crawford», (vídeos musicais dos) Blue Oyster Cult; «José Ruy - Uma Forma de Respirar», (documentário de) Manuel Monteiro.

sexta-feira, abril 17, 2020

Orientação: Sobre uma nova «muralha», n’O Diabo

Na edição de hoje (Nº 2259) do jornal (semanal) O Diabo, e na página 9, está o meu artigo «Uma nova, grande, “muralha”». Um excerto: «Incrível e inquietante, parece que a tenebrosa influência do PCC se estendeu a toda a Terra: milhões de pessoas um pouco por todo o Mundo foram obrigadas a encerrar-se nos seus lares para se protegerem de um eventual contágio e arriscaram-se a ser multadas e até presas se fossem à rua sem uma justificação considerada válida pelas autoridades, com ou sem "estado de emergência" declarado, e isto enquanto assistiam à destruição das economias das suas nações, às desvalorizações acentuadas nos mercados de capitais, à multiplicação das empresas em falência, ao aumento acelerado do desemprego; num cenário talvez pior do que o da grande depressão da década de 30 do século XX, as sociedades ocidentais estão em risco de colapsar.» (Também no MILhafre e no Obamatório.)

quinta-feira, abril 16, 2020

Oráculo: Amanhã o meu contributo…

… Necessariamente modesto para a compreensão da crise – da pandemia – que todo o Mundo enfrenta actualmente, as suas características, as causas e as consequências, e uma possível solução, será dado num artigo de opinião nas páginas de um jornal nacional. Que representa(rá) também uma reacção, uma resposta da minha parte, mesmo que indirecta, aos constantes e cada vez mais disparatados comentários – incluindo sob as formas de fotografias e de vídeos a(du)lterados – nas ditas «redes sociais» de pessoas que eu conheço e prezo, algumas das quais considero até amigas, que pela sua idade (para ter juízo) e pela sua inteligência deveriam – especialmente neste período que atravessamos, mas não só – usar de maior sensatez nessas intervenções mais ou menos públicas, e mostrar menor susceptibilidade a preconceitos e a propagandas. Mais concretamente, refiro-me a apontar, a acusar falsamente (e ridiculamente) como principal e mesmo único culpado deste problema (e ainda de outros anteriormente) um certo chefe de Estado estrangeiro – e, não, não é o da China. ;-)

quarta-feira, abril 08, 2020

Outros: David Soares na Simetria

David Soares, notável escritor (ficcionista e ensaísta) que Portugal não conhece nem valoriza tanto quanto deveria (e como ele há outros…), é, após um convite meu que ele amável e generosamente aceitou, o novo colaborador da Simetria. E publicou hoje no sítio daquela o seu primeiro texto enquanto tal, intitulado «O heroísmo das pessoas fracas», e cujo tema é uma nova série de televisão baseada numa obra de Stephen King. Curiosamente, é o segundo Soares da «companhia», pois esta já conta nas suas «fileiras» com Bruno Martins Soares desde Janeiro de 2017. Da nossa parte é um motivo de orgulho passar a ter o autor de livros extraordinários como «A Conspiração dos Antepassados», «Lisboa Triunfante» e «O Evangelho do Enforcado» enquanto (mais um) «residente» no espaço virtual mais antigo – e em «funcionamento» permanente – da Ficção Científica e Fantástico em Portugal.